terça-feira, 2 de agosto de 2016

Cosmam visita Hospital Psiquiátrico São Pedro

Foto: Ederson Nunes/CMPA
Nesta terça-feira (2/8) pela manhã, a Comissão de Saúde e Meio Ambiente (Cosmam) da Câmara Municipal de Porto Alegre visitou o Hospital Psiquiátrico São Pedro, localizado na Avenida Bento Gonçalves, 2460, no Bairro Partenon. A presidente da comissão, vereadora Lourdes Sprenger (PMDB) observou que é necessário dar mais atenção à saúde mental e fez uma série de questionamentos visando compreender a atual situação do funcionamento do hospital e também quais eram os vínculos com o município.

Atualmente, o Hospital São Pedro, que já abrigou mais de 5 mil pacientes asilados na década de 60, conta com 140 leitos para internação, todos eles ocupados no momento. “Desde 1980, nós não recebemos mais pacientes para morar no São Pedro, isso é importante, embora a população não saiba ainda disso, que ainda vê o São Pedro como um grande asilo”. A média de internação é de três semanas e são realizados em torno de 40 mil atendimentos por ano no setor ambulatorial de saúde mental, explicou o diretor-técnico Gilberto Brofman. Ele apresentou uma linha do tempo sobre a história do hospital, desde a sua fundação em 1884, contando que foi construído com o dinheiro da população gaúcha e hoje é o maior patrimônio histórico tombado do Rio Grande do Sul.

“Embora o São Pedro seja chamado historicamente de Hospital Psiquiátrico São Pedro, nós somos um complexo de atenção à saúde mental, porque nós somos responsáveis por esses moradores e também somos responsáveis por cinco residenciais terapêuticos fora do hospital que tem em torno 90 de pacientes”, ressalta o Brofman. O diretor-técnico também contou que são realizados dois processos de reabilitação ao paciente de saúde mental. “Nós recebemos pacientes ambulatoriais, a maior parte deles do município de Porto Alegre, nós temos a oficina de criatividade, que trabalha com várias técnicas de arte e literatura.” Há ainda outro processo de reabilitação para gerar renda ao paciente com doença mental. “Nós produzimos esse programa para que os pacientes possam ter um trabalho abrigado aqui dentro e eles ganham, de acordo com a sua capacidade de trabalho e horas de trabalho, até R$ 800,00 por mês, que é um salário mínimo, em reciclagem de papel limpo.”

Grupo de estudos

Será realizado um grupo de estudos em prol do Hospital Psiquiátrico São Pedro, buscando soluções e promovendo melhorias ao hospital. O membro da diretoria do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), Bruno Mendonça Costa, que também é médico aposentado do São Pedro, contou que ficou muito satisfeito com a reunião da comissão, aproximando o Legislativo do hospital, observando que “tudo isso é um esforço conjunto”.

Os vereadores também conheceram o Setor de Admissão e Triagem (SAT), local onde os pacientes ingressam ao hospital. Além do atendimento ambulatorial e hospitalar, o hospital possui uma função de capacitação, disponibilizando cursos e estágios na área. Segundo Lourdes Sprenger, "a saúde mental não tem sido contemplada como uma prioridade em termos de visualização". Por isso, avalia que a visita e a reunião no São Pedro foram importantes para essa aproximação do tema ao município. "A partir de agora a gente pode levar mais subsídios para tratar com os CAPS do município. Vamos poder sugerir, aproximar e mudar a política da saúde do município. Aproximar mais aqui do hospital, visando também o atendimento ao paciente", ressaltou a presidente da comissão.

A reunião contou com a presença também dos vereadores, funcionários da coordenação do hospital, representantes da Secretaria Municipal da Saúde, representantes do Simers e da Associação Brasileira em Defesa dos Usuários de Sistemas de Saúde (Abrasus).

Texto: Guilherme Sampaio (reg. prof. 18405)

Edição: Marco Aurélio Marocco (reg. prof. 6062)